Sendo o fabricante número um do mundo em lentes de contato tóricas, a CooperVision tem os produtos e o conhecimento para ajudá-lo a provar lentes tóricas com sucesso. Os links nesta página foram desenvolvidos para lhe dar acesso fácil a diversas informações úteis para a prova de lentes tóricas, incluindo procedimentos para prova diagnóstica e prova empírica.

História das lentes tóricas

Atualmente os médicos podem escolher entre muitas lentes, com uma grande variedade de parâmetros e excelente reprodutibilidade.

Não se convive mais com visão insatisfatória no uso das lentes tóricas. Os pacientes com elevado grau de cilindricidade de até 10.00D usam lentes tóricas gelatinosas com sucesso. Em um estudo Christopher Snyder, OD mostrou que o VA de lentes RGP e lentes tóricas gelatinosas são equivalentes. (Snyder C., Daum KM, Wiggins NP. Desempenho visual na correção do astigmatismo com lentes de contato: RGPs esféricas versus hidrogéis tóricas. ICLC 1994;21(4):127-131)

Um estudo de Holden (Holden BA. Os princípios e a prática da correção do astigmatismo com lentes de contato. Aust J Optom. 1975;58:279) descobriu que 45% do mercado de lentes para óculos são candidatos para lentes tóricas gelatinosas com 0.75D ou mais. Com base nestes resultados há uma grande população que pode se beneficiar com uma visão superior dada por lentes tóricas gelatinosas. Os oftalmologistas descobriram que a prova de lentes de contato oferece oportunidades para o crescimento das suas clínicas.

Um grande número de astigmatismos pode ser corrigido eficazmente usando lentes de contato tóricas gelatinosas. As lentes de contato tóricas gelatinosas individualizadas já está disponíveis e em uso há uma década.

O diagrama abaixo mostra as lentes de contato gelatinosas de silicone hidrogel atualmente disponíveis no mercado. A lente de contato gelatinosa Biofinity Toric usa diversas tecnologias tóricas já comprovadas. Ela combina um material de baixo módulo e naturalmente úmido com a maior permeabilidade ao oxigênio de uma lente de contato gelatinosa tórica hoje em dia: Dk = 128. Estas características de material também suportam a aprovação para uso prolongado por seis noites / sete dias.

O desenho otimizado de balastro mostrado abaixo apresenta o que há de melhor em tecnologias tóricas.

  • A espessura ISO horizontal melhora a estabilidade, reduzindo a rotação da lente.
  • Grande faixa de balastro, aumentando a área dedicada à estabilidade.
  • Superfície continuamente suave, reduzindo a interação com as pálpebras, melhorando o conforto e ajudando na estabilidade.

Ao usar a Aquaform Technology em combinação com estas características de design já comprovadas, a CooperVision fornece ao oftalmologista uma lente de contato gelatinosa tórica que pode ser provada empiricamente ou usando um conjunto de lentes para prova diagnóstica.

Candidato

Em geral, bons candidatos para lentes de contato gelatinosas tóricas devem ter as mesmas características que bons candidatos para lentes de contato gelatinosas esféricas. Os problemas que ocorrem para usuários de lentes de contato gelatinosas em geral (tais como baixa conformidade e depósitos) também podem incomodar o paciente da lente de contato gelatinosa tórica. Ou seja, falta de lubrificação lacrimal e olho seco podem impedir o sucesso ao usar as lentes. Alguns oftalmologistas sugerem um material com menos água para pacientes com problemas de secura.

Para facilitar a prova de lentes de contato gelatinosas tóricas, fazemos as seguintes perguntas:

  1. Este paciente é um candidato para lentes de contato gelatinosas tóricas?
  2. Qual o material que atende melhor às necessidades do paciente?
  3. Qual a lente disponível para os parâmetros necessários à prova deste paciente?

Seleção

Como é feita a seleção do design da lente tórica (marca)?

O primeiro passo é uma boa anamnese. Os oftalmologistas bem sucedidos atribuem o seu sucesso com lentes de contato às suas habilidades de comunicação e como ouvintes. As expectativas dos pacientes devem ser discutidas e a solução do produto deve ser baseada nas necessidades individuais do paciente. Através da entrevista com o paciente você deverá definir os critérios para as necessidades específicas deste. O paciente deseja usar as lentes durante a noite? O paciente deseja usar lentes de contato em tempo parcial ou integral? O paciente é um bom candidato para lentes de contato diárias? Uma vez que defina o paciente como candidato para lentes de contato gelatinosas tóricas, você deverá selecionar um método ou filosofia de prova. A escolha é entre prova empírica ou por diagnóstico.

Como é selecionado o design de lentes de contato gelatinosas tóricas (empiricamente)?

As lentes de contato gelatinosas tóricas que são provadas empiricamente são ajustadas a partir da prescrição de óculos do paciente a partir da aresta do plano da córnea. A calculadora tórica CooperVision é uma excelente ferramenta para converter uma prescrição de lente de óculos para uma prescrição de lente de contato.

Como é selecionado o design de lentes de contato gelatinosas tóricas (diagnosticamente)?

Prova por diagnose

A prova por diagnóstico requer mais tempo sentado para o paciente, embora o tempo adicional envolvido possa aumentar a probabilidade de sucesso da primeira prova. Os parâmetros são selecionados a partir de um conjunto de diagnóstico e a lente de prova é posicionada sobre o olho do paciente e avaliada depois que a lente tenha atingido o equilíbrio.

Combinação das filosofias de prova

Muitos oftalmologistas usam uma combinação entre as duas filosofias de prova. Se há um conjunto de lentes de prova para diagnose à mão, a primeira lente é escolhida de acordo com as diretivas para prova empírica. O desempenho da lente é avaliado e se ela for considerada aceitável, o paciente recebe a lente diagnosticada. O paciente ganha então a oportunidade de avaliar a lente sob condições de uso diário. Ao retornar ou na reconsulta, as lentes podem ser mudadas, caso o desempenho não tenha sido adequado. Devido à rotação ou excesso de refração é possível ter de trocar após o período de uma semana. Um amplo inventário de lentes de contato para diagnose é extremamente útil para assegurar o sucesso ao provar lentes de contato gelatinosas tóricas. Caso não haja lentes de contato para diagnose disponíveis, frequentemente recorre-se ao método de prova empírico.

Prova

Teste complementar: Teste de empurrar para cima

O teste de empurrar para cima consiste em mover a lente para cima e para baixo manualmente; a quantidade de movimento e mudança na posição da lente podem ser observados. Lentes de contato gelatinosas de ajuste apertado ou íngreme serão difíceis de mover ou não moverão nada. Lentes de contato gelatinosas soltas ou de ajuste plano irão se mover excessivamente. A estabilidade à rotação pode ser avaliada através do teste de empurrar para cima. Caso a rotação mude mais do que 5 a 10 graus ao empurrar para cima, você deverá pensar em trocar de lente. Isso dependerá muito da sensibilidade do paciente às mudanças rotacionais.

Uma vez que as características do ajuste físico da lente sejam consideradas aceitáveis, o grau de refração esféro-cilíndrica total (SCOR) pode ser usado para determinar a potência final. Com o advento das calculadoras programáveis portáteis e programas baseados em rede (isto é, a calculadora tórica CooperVision), alguns oftalmologistas usam somente SCOR em vez de LARS.