Quando diversos dos profissionais da oftalmologia aprenderam pela primeira vez a adaptar lentes multifocais gelatinosas, havia protocolos de adaptação complicados, diversos ajustes da potência da lente e eram necessárias incontáveis visitas de acompanhamento. Graças aos novos desenhos e tecnologias de fabricação, a maioria das lentes multifocais gelatinosas usadas hoje em dia requerem somente um equivalente esférico e uma potência de adição para começar.

Mas, para maximizar o sucesso na adaptação dessas lentes, a Dra. Roxanna Potter, o Dr. Shalu Pal e a Dra. Mary Jo Stiegemeier—instrutores do programa Soft Toric and Presbyopic Lens Education (STAPLE) para estudantes de oftalmologia — desenvolveram alguns princípios orientadores:1

Escolha os pacientes adequados

Os usuários potenciais com maior probabilidade de terem as lentes de contato multifocais gelatinosas adaptadas com sucesso incluem:

  • Candidatos com experiência anterior no uso de lentes de contato
  • Candidatos altamente motivados, como presbitas precoces, pessoas com multitarefas, pacientes frustrados com óculos progressivos ou para leitura
  • Míopes ou hipermétropes de moderados a altos vs emétropes

Quando você se sentir pronto para experimentar as lentes tóricas multifocais, pode começar fazendo a adaptação de pacientes com astigmatismo >1.00D.

Em geral, quanto mais alta a potência de adição, mais difícil será para os pacientes se adaptarem às lentes de contato. Naturalmente, também será assim para a adaptação de lentes progressivas para óculos.

Gerenciar expectativas dos pacientes

Antes de prescrever as primeiras lentes multifocais gelatinosas para o paciente, é importante ter uma discussão sobre o processo de adaptação. Certifique-se de explicar que:

  • Serão necessárias 2 ou 3 visitas para a adaptação bem-sucedida dessas lentes; isso é para assegurar que o paciente obtenha a melhor correção visual possível
  • Os pacientes normalmente levam diversas semanas para se adaptar às suas novas lentes — eles precisam ter paciência!
  • Uma meta para essas lentes é fornecer visão adequada para 80% das tarefas diárias de um paciente (isso é conservador, mas o desempenho subestimado leva a uma percepção mais favorável ao sucesso)
  • Alguns usuários não têm suas necessidades visuais totalmente atingidas somente por lentes de contato — eles podem precisar, ocasionalmente, de óculos para leitura

Certifique-se de que cada paciente compreende suas taxas de adaptação e suas políticas sobre reembolsos e cancelamentos antes que o processo comece.

Otimize sua refração

Uma refração precisa é a base da adaptação. Empurre o mais alto positivo aceitável para distância, e o mínimo positivo para perto, para evitar a acomodação excessiva com uma refração sobrenegativada.

Ao selecionar lentes multifocais gelatinosas para adaptação a um paciente, primeiro calcule seu equivalente esférico. Coloque esta prescrição em uma armação de teste, colocando o máximo de positivo possível.

Determine a dominância do olho

Testar a dominância sensorial é a maneira mais eficaz de alcançar a adaptação bem-sucedida de lentes multifocais gelatinosas. Use uma lente portátil +1,50 D ou +2,00 D, alternativamente posicionada sobre cada olho (enquanto corrigida da melhor forma) para determinar qual posição cria menos desfocagem com os dois olhos abertos. Isso pode ajudar a determinar se o mais positivo ou as potências de adição mais elevadas devem ser usadas no olho não dominante para aprimorar a visão de perto, sem comprometer a visão ao longe.

Teste em condições reais do dia a dia

Na iluminação adequada, teste a visão do paciente usando um telefone celular ou revista em vez de um quadro ocular. Verifique a acuidade visual de perto e longe somente após alguns minutos depois de os pacientes se adaptarem. Permita que os pacientes saibam que alguma sombra ou desfocagem leve podem ser aparentes por algumas semanas.

Tenha um “Plano B”

Alguns pacientes são simplesmente incapazes ou não querem dedicar o tempo necessário para se adaptarem a lentes de contato multifocais. Após perguntar aos pacientes sobre sua experiência e determinar que eles não serão bem-sucedidos com lentes multifocais gelatinosas, discuta as alternativas possíveis. Além disso, forneça garantias de que a tecnologia está avançando continuamente e que você o manterá atualizado sobre as novas possibilidades, conforme elas surgirem.

Saber que você está em busca de satisfazer suas necessidades irá tranquiliza-los e ajudará a manter sua lealdade.

1. Potter R, Pal S, Stiegemeier MJ. Avoiding the soft multifocal failure. Lentes de contato Spectrum. 2016;31:22-25.